Giri/Haji – Crítica e Review da série da Netflix sobre a Yakuza

686

Giri/Haji – Crítica e Review da série da Netflix – É difícil ser primogênito. Como se o fardo das expectativas não fosse suficiente, você também deve assumir a responsabilidade por seus irmãos que têm um potencial ilimitado de serem um pesadelo. 

O protagonista de ‘ Giri / Haji ‘, detetive Kenzo Mori, sabe disso muito bem. Neste drama anglo-japonês, o herói luta sob o peso do que é certo e errado. Ele está dividido entre o senso de dever de seu trabalho e a obrigação de sua família.

Enquanto explora a moralidade de Kenzo, o drama nos apresenta outros personagens que nos conquistam por suas vidas imperfeitas e pela propensão a tomar más decisões.

Giri/Haji - Crítica e Review
Giri/Haji – Crítica e Review

O enredo de Giri/Haji

‘ Giri / Haji ‘ usa dois irmãos como peão para contar a história que leva os telespectadores do Japão para a Inglaterra. Kenzo Mori é um policial que precisa equilibrar as responsabilidades no trabalho e em casa. O passado criminoso de seu suposto irmão mais novo morto continua perseguindo-o no trabalho e, em casa, ele tem que encontrar maneiras de chegar até sua filha rebelde enquanto cria tempo para seus pais doentes. Enquanto faz malabarismo com tudo isso, seu casamento também está sofrendo.

No meio disso, o sobrinho de um líder da Yakuza é esfaqueado até a morte com uma espada que traz suspeitas de volta a outro criminoso. À medida que as tensões aumentam em Tóquio, Kenzo é enviado a Londres para investigar o assassinato e procurar o verdadeiro agressor – seu irmão.

O que achamos de Giri/Haji – Critica e Review

A imagem geral de ‘Giri / Haji’ não é algo novo. Já vimos o relacionamento problemático entre irmãos na tela antes. A dupla do irmão mais velho justo e do irmão mais novo violador da lei (e às vezes o contrário) tem sido o ponto focal de várias histórias. Ao pisar em áreas tão familiares, torna-se crucial se destacar fazendo algo novo, mudando a dinâmica ou dando voltas imprevistas na trama. Este programa usa todos esses truques para oferecer uma história envolvente de crime e família.

A primeira coisa de que ele se beneficia é o fascínio do Japão. A ameaça iminente da Yakuza, o uso de espadas samurais e o fundo atenuado de Tóquio (em comparação com sua representação em geral) cria um clima para a história que o mantém no limite. A constante mudança de Tóquio para Londres e vice-versa apresenta um pano de fundo contrastante, que amarra a história ao básico, permitindo que ela voe descontroladamente no céu sem restrições. De várias maneiras, representa a disputa de Kenzo. Apesar de combater novas ameaças e fazer novos amigos em Londres, ele é constantemente lembrado da vida que deixou em Tóquio.

A história é ainda mais impulsionada por personagens impecavelmente desenhados, cada um dos quais tem uma batalha própria. Enquanto Kenzo tem que decidir se age como um policial ou um irmão, Yuto precisa fazer suas próprias escolhas. Ele sempre foi um causador de problemas e é o único responsável pelo derramamento de sangue que se seguiu a suas ações. Ele atua por interesse próprio há tanto tempo que se torna difícil para ele entender os desenvolvimentos ao seu redor. Nesse meio tempo, somos apresentados a Sarah Weitzmann, uma policial que foi ostracizada devido à conduta passada que pode não ter sido tão moral quanto ela disse a si mesma que era.


A principal atração, no entanto, é Rodney, de Will Sharpe, um problemático garoto de aluguel que luta contra o vício. Enquanto o resto do elenco brilha em seus papéis, é a presença de Sharpe que torna a tela um pouco mais brilhante. Ele é pego em uma batalha de outra pessoa, buscando distração por conta própria. Usando sass e sarcasmo como mecanismo de defesa, ele é forçado a enfrentar seus problemas no final. Um personagem paralelo sem conexão com o enredo principal significaria que Rodney é facilmente descartável e deveria receber menos tempo de tela para tornar os episódios de uma hora mais curtos. No entanto, você se apaixona tão facilmente por ele que deseja vê-lo mais.

‘Giri / Haji’ usa uma fórmula testada e comprovada, mas a executa com elegância, frequentemente marcada com uma excentricidade agradável. A narrativa permite que você entre na mente de todos os personagens, para que você tenha um conhecimento íntimo de todos eles. Também mantém as coisas novas, permitindo espaço para choques e surpresas. Ele equilibra o tom grave e encharcado de sangue da história com um senso de humor irônico que o pega desprevenido. Prova ser uma mistura perfeita de histórias britânicas e japonesas, e aquela que exige sua atenção.

Nota do Editor: 7/10

Assista ao trailer:

Leia também:

+3° Temporada de Titãs chegará na Netflix – Saiba Tudo

COMPARTILHAR